capa

Sob forte pressão, governo deu sinais de que recuaria de nova metodologia e prometeu retomar divulgação detalhada do impacto da doença. A decisão do Ministério da Saúde de mudar a forma de divulgar os dados sobre a covid-19 no Brasil gerou repercussão internacional, com os principais jornais do mundo destacando negativamente as mudanças. Com o título "Bolsonaro esconde número de mortes e total de casos por coronavírus no Brasil", o jornal britânico The Guardian chamou a iniciativa do governo brasileiro de "movimento extraordinário que os críticos chamam de tentativa de esconder o verdadeiro número de vítimas da doença".

A reportagem, publicada na versão eletrônica do diário no domingo (7 de junho), lembra que a decisão ocorre "após meses de críticas de especialistas que dizem que as estatísticas do Brasil são terrivelmente deficientes e, em alguns casos, manipuladas, o que significa que talvez nunca seja possível obter uma compreensão real da profundidade da pandemia no país". No fim do dia, o Guardian publicou nova reportagem, dessa vez com o título "Brasil deixa de divulgar número de mortos por Covid-19 e apaga dados do site oficial". Nela, o repórter Dom Phillips, correspondente do jornal no Rio de Janeiro, ressalta que o governo brasileiro foi acusado de "totalitarismo e censura" pela nova metodologia.