capa

Um vírus desconhecido pela ciência até pouco tempo vem causando uma doença pulmonar grave em centenas de pessoas. Na China, onde surgiu o novo coronavírus, 17 pessoas morreram e 444 estão infectadas, de acordo com o último balanço local. No entanto, casos da infecção já foram confirmados na Coreia do Sul, Tailândia, Japão, Estados Unidos e Taiwan.

Nesta quarta-feira (22), a Secretária Estadual de Saúde de Minas Gerais disse que um caso suspeito da doença está sendo investigado em Belo Horizonte. A paciente, uma mulher de 35 anos, esteve em Xangai e desembarcou em Belo Horizonte no último sábado (18), com sintomas respiratórios compatíveis com doença respiratória viral aguda.

Logo depois, o Ministério da Saúde se pronunciou e disse que o caso “não se enquadra na definição de caso suspeito da Organização Mundial da Saúde (OMS)”. Na terça-feira (21), a entidade alertou para a possibilidade do surto se espalhar para outras partes da China e para outros países.

 

Veja abaixo algumas das principais dúvidas sobre o novo vírus e a doença que ele causa.

O que é um coronavírus?

Os coronavírus recebem esse nome pois têm em sua membrana picos projetados que se assemelham à coroa do sol. Eles podem infectar animais e pessoas e causar doenças do trato respiratório, que vão desde o resfriado comum até condições graves como a SARS, que adoeceu milhares de pessoas em todo o mundo, e matou quase 800 pessoas, durante um surto em 2003 e a MERS, que causou a morte de 858 dos 2.494 pacientes identificados com a infecção desde 2012.

O coronavírus identificado na China recentemente foi chamado de 2019-nCoV. Os primeiros casos da doença, uma pneumonia causada por um vírus desconhecido foram registrados no final de dezembro. Na primeira semana de janeiro, pesquisadores chineses identificaram o patógeno por trás de uma doença misteriosa que havia adoecido 59 pessoas em Wuhan, uma cidade de 11 milhões de habitantes no centro da China: um novo coronavírus.

“Esse vírus é da mesma família que o coronavírus causador da epidemia de Sars e de Mers. Mas existem outros coronavírus já identificados, presentes inclusive no Brasil, que causam apenas resfriado comum. O diferente desse é que é um vírus completamente novo, que nunca havia sido identificado e, por isso, não sabemos como o organismo humano reage à ele”, diz a infectologista Mirian Dal Ben, do Hospital Sírio Libanês em São Paulo.

 

Quais são os sintomas da infecção?

Casos mais leves podem se parecer com gripe ou resfriado comum, dificultando a detecção. Já casos mais graves podem evoluir para pneumonia e síndrome respiratória aguda grave ou causar insuficiência renal. Os sintomas incluem febre alta, tosse, dificuldade para respirar e lesões pulmonares.

Ainda há pouca informação sobre período de incubação – o tempo entre a exposição e o início dos sintomas – e transmissibilidade Estima-se que o período de incubação seja de aproximadamente duas semanas e já se sabe que ele pode ser transmitido de pessoa para pessoa. No entanto, pouco se sabe sobre quem está em maior risco de sintomas mais graves.

Quão grave é a situação?

Ainda não se sabe. Os coronavírus podem causar desde um resfriado comum até a morte do paciente infectado. Aparentemente, o novo vírus está em algum lugar no meio do caminho entre esses dois extremos. “Quando encontramos um novo coronavírus, buscamos saber quão severos eram os sintomas, e eles são mais parecidos aos de um resfriado, o que gera preocupação, mas não são tão graves quanto os da Sars”, afirmou o professor Mark Woolhouse, da Universidade de Edimburgo, à rede britânica BBC.

Segundo a infectologista Mirian Dal Ben, a mortalidade do vírus até o momento está em cerca de 4% e é considerada alta. Pelo menos, é muito maior do que um resfriado comum causada por outros coronavírus. Entretanto, ela ressalta que como ainda estamos no início da epidemia, é difícil estabelecer a gravidade do vírus. “Quem chega ao hospital é quem tem sintomas graves. Pode ser que o que estamos vendo seja a ponta do iceberg e que a quantidade de infectados seja muito maior, mas com sintomas mais brandos”, explica a médica.

De onde esse novo vírus surgiu?

Novos vírus surgem a todo momento. Grande parte tem origem em espécies animais, onde geralmente passam despercebidos, e por alguma razão, “pulam” para os humanos. Isso aconteceu com a Sars, que passou para os humanos a partir de um animal selvagem conhecido como civeta (ou gato-de-algália, parente do guaxinim) — que era considerado uma iguaria na região de Guangdong, na China. E com a Mers, geralmente originária de dromedários. Uma vez que é identificado o animal reservatório, como é chamado o ser vivo onde um agente infeccioso vive e se multiplica, é mais fácil lidar com isso.

No caso do novo coronavírus, ainda não se sabe de qual animal ele é proveniente. Os primeiros casos da doença foram identificados em trabalhadores do mercado público de frutos do mar em Wuhan, na China. Ainda que alguns mamíferos aquáticos possam portar o coronavírus, como a baleia-beluga, no local também são comercializados outras classes de animais selvagens vivos, como galinhas, morcegos, coelhos e cobras, que são considerado as fontes primárias mais prováveis da infecção.

Segundo especialistas, casos desse tipo costumam se originar na China devido à sua dimensão territorial, densidade populacional e do contato próximo com animais infectados.

Essa doença se alastra facilmente?

No início, os casos da infecção estavam restritos à pessoas que tinham algum tipo de associação com o mercado de peixe de Wuhan. Entretanto, conforme o tempo foi passando, novos casos foram surgindo em outras cidades chinesas e em outros países.

 

Por isso, acreditava-se que a transmissão era feita de animais para pessoas. Mas, recentemente, autoridades chinesas confirmaram a transmissão do vírus de uma pessoa para outra, o que aumenta o risco de propagação. A quantidade de pessoas infectadas em pouco tempo e a identificação do vírus em outros países, mostra uma facilidade de transmissão. “Por ser um vírus novo, ninguém tem imunidade contra ele e isso faz ele se espalhar mais rápido”, explica Mirian.

De acordo com o vice-chefe da Comissão Nacional de Saúde do Reino Unido, estima-se que quase 2 200 pessoas tenham tido contato com pacientes infectados. E não foi identificado nenhum “super espalhador”, ou seja, um paciente que tenha transmitido o vírus para mais de dez pessoas, segundo informações da rede BBC.

O que está sendo feito para diminuir o risco de uma pandemia?

O governo chinês alertou que quem esconder infecções será “sempre pregado no pilar da vergonha da história”. Aeroportos ao redor do mundo, incluindo alguns nos Estados Unidos e na Austrália, estão examinando passageiros de Wuhan. Na terça-feira, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças anunciaram medidas de triagem ampliadas nos Estados Unidos. Pesquisadores estão em busca de uma vacina.

Qual é o risco de contaminação?

Ainda não se sabe. Mas, de acordo com a definição atual da OMS, só há transmissão ativa do vírus na província de Whuan. Portanto, somente pessoas que estiveram no local devem se preocupar. É claro que isso pode ser atualizado a qualquer momento. Afinal, a globalização aumentou exponencialmente o fluxo de pessoas e a transmissão pelo contato com partículas de tosse e espirro de pessoas infectadas, aumentam ainda mais o risco de disseminação da doença.