capa

A decisão do STF de decidir contra o cumprimento de penas após condenação em segunda instância teve seus desdobramentos nas redes sociais. Entre eles, a ameaça do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) contra a Corte por conta da decisão.

Em uma seqüência de publicações que começou na noite da quinta (7) e voltou no começo desta sexta (8), o pesselista insinuou que participaria de uma possível ação armada que pudesse ter como objetivo final fechar o Supremo.

"Se precisar de um cabo, estou a (sic) disposição", escreveu.

A postagem faz referência à declaração de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado e filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que em curso preparatório para concursos públicos em 2018 afirmou: "Se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo”.

Os ataques ao STF por parte de Daniel, um dos mais assíduos defensores do bolsonarismo, continuaram com termos como ‘vergonha do Brasil” e “defensores do crime”. 

Silveira é o deputado que, recentemente, ficou conhecido por admitir publicamente que, em meio ao racha do PSL entre as alas de Bolsonaro e Luciano Bivar, presidente do partido, se infiltrou nas reuniões de apoiadores do Delegado Valdir (PSL-GO) para gravar, sem conhecimento dos presentes, os encontros.

Além disso, Silveira foi um dos responsáveis por depredar uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada em março de 2018.